História do Esporte Clube Bahia

Esporte Clube Bahia Esporte Clube Bahia
Fundado em 01 de janeiro de 1931
Endereço: Jardim Metrópole, S/N, Itinga
Lauro de Freitas, Bahia – CEP.: 427000-000
Estádio Roberto Santos (Pituaçu) – Capacidade: 32.157
Site oficial: www.esporteclubebahia.com.br


História do Bahia – 1931
A Fundação

No dia 8 de dezembro de 1930, dia de Nossa Senhora da Conceição da Praia, os ex-jogadores do Clube Bahiano de Tênis Carlos Koch, Eugênio Walter (Guarany) Fernando Tude e Júlio Almeida; e Waldemar de Azevedo, ex- Associação Atlética da Bahia, num encontro casual no Cabaré do Jokey, em Salvador, discutem a formação de um novo time de futebol.

O grupo está sem poder praticar o esporte que amam porque as agremiações que defendiam resolveram acabar com os departamentos de futebol no corrente ano.

No dia 12/12, mais de 70 pessoas, a maioria ex-atletas da AAB e do Bahiano, reúnem-se para definir os rumos do novo clube. A assembléia é presidida por Otavio Carvalho e secretariada por Fernando Tude e Aroldo Maia.

Naquela reunião, são definidas as cores da Bahia para o novo clube – uniforme com a camisa branca e o calção azul com uma faixa vermelha na cintura. Otavio Carvalho é nomeado presidente provisoriamente.

O Ano de 1931
O Esporte Clube Bahia é fundado, sob o slogan “Nascido para vencer”, no dia 1° de janeiro de 1931, em reunião realizada na casa n° 57 da Rua Carlos Gomes, em Salvador. O grupo de fundadores do Bahia é formado em sua maioria por ex-jogadores da AAB e do Bahiano, sem participação na diretoria dos mesmos, considerados integrantes da “pequena-burguesia” soteropolitana da época. Eram profissionais liberais, funcionarios públicos, jornalistas, micro-empresarios e estudantes. O que confirma a tese de que o Bahia, desde o principio, não era um time de grã-finos e tinha sim mais afinidade com as camadas populares.

O Distintivo
Baseado no distintivo do Corinthians Paulista e valorizando a bandeira do estado, o distintivo do Bahia é desenvolvido por Raimundo Magalhães. Os Estatutos são aprovados e a primeira diretoria oficial é eleita, por aclamação. O médico Waldemar Costa é o primeiro presidente do Bahia.

Em 16/01 são publicados no Diario Oficial da Bahia os estatutos do Tricolor, que passa a existir legalmente.

A primeira vez
No dia 20/02, o Bahia é filiado à Liga Bahiana de Desportos Terrestres, atual Federação Bahiana de Futebol. E, Em 22/02, um domingo, o Bahia realiza seu primeiro treino, no Campo da AAB, na Quinta da Barra, em Salvador.

Primeiro jogo e título
Em 01/03/1931, o Tricolor entra em campo pela primeira vez e confirma o slogan “nascido para vencer”. A vitima foi o Ypiranga, por 2 a 0, com gols de Bayma e Guarany. O goleiro Teixeira Gomes ainda defende um pênalti cobrado pelo ypiranguense Hipólito. Válida pelo Torneio Inicio do Estadual, a partida tem apenas 20 minutos de duração. Coube a Bayma, aos dois minutos da etapa inicial, a honra de marcar o primeiro gol com a camisa do Bahia. Fato interessante é que o jogador é sobrinho de Zuza Ferreira, que trouxe o futebol para o Estado. O Bahia jogou com a seguinte formação: – Teixeira Gomes; Leônidas e Gueguê; Milton, Canoa e Gia; Bayma, Guarany, Gambarrota e Pega-Pinto. O técnico é João Barbosa e o arbitro, Francelino de Castro. No mesmo dia 01/03, o Bahia conquista o primeiro titulo de sua história, o Torneio Inicio do Baianão de 1931. A taça vem com uma goleada no segundo jogo do dia, contra o Royal, por 3 a 0. Gols de Guarany (2) e Pega-Pinto.

– Em 22/03, o Bahia estréia no Estadual. Com gols de Bayma Guarani e Rubem.

– Em abril, Tricolor faz seu primeiro jogo internacional, mas perde para o Sud América, do Uruguai.

– Em 11/10, o Bahia faz seu primeiro jogo intermunicipal, contra o Vitória de Ilhéus e vence por 5 a 4.

– Em 24/10, no primeiro jogo fora do estado, o Tricolor bate o Sergipe por 2 a 0. Um dia depois, 5 a 0 no Guarany/SE. Os dois jogos são em Aracaju.

– Em 25/10, mesmo longe de Salvador e sem precisar entrar em campo, o Bahia conquista o primeiro titulo de Campeão Baiano. A taça vem com a derrota do Botafogo para o Ypiranga, por 2 a 0, que impossibilita o “fogão” de ultrapassar o Tricolor. O Clube comemora o titulo com duas rodadas de antecedência para o fim do Estadual. A Delegação faz a festa em Aracaju mesmo e é acompanhada pela população da cidade, que varou a madrugada contagiada pela alegria tricolor.

– Em 15/11, Bahia entra em campo contra o Ypiranga. Com o titulo garantido, a motivação é não perder no Campo da Graça para sagrar-se Campeão Invicto. Tricolor consegue empate em 2 a 2 aos 33 minutos, com o gol de Milton Bahia e mantém invencibilidade.

CURIOSIDADE
Poucas pessoas sabem, mas o escudo do Bahia foi inspirado no escudo do Corinthians Paulista. A âncora foi retirada e a bandeira de São Paulo foi trocada pela bandeira da Bahia. O preto foi trocado pelo azul e no lugar de S. C. Corinthians Paulista – 1910, foi colocado Esporte Clube Bahia – 1931.

O ano de 1932

– Bahia enfrenta a primeira crise de sua história. Racha na direção provoca saídas dos fundadores Júlio Almeida e Fernando Tude da diretoria.

– Apesar dos pesares, Bahia é Bicampeão do Torneio Início do Estadual.

– Problemas internos refletem no campo e clube perde o Estadual para o Ypiranga.

– Em 21/01, Bahia enfrenta pela primeira vez o Santa Cruz e vence por 3 a 2. O ano é marcado ainda pelos primeiros confrontos com outros que viriam a ser rivais históricos – Vitória, Sport e Flamengo, além do Santa.

– Em 18/09, o Bahia vence o primeiro Bavi da história, por 3 a 0, gols de Gambarrota e Raul Coringa (2). Partida válida pelo Torneio Início do Estadual, tem apenas 20 minutos.

O ano de 1933

– Dissidentes se recompõe com a diretoria e a paz volta à cúpula tricolor.

– Bahia leva 3 a 1 do Energia FC e é eliminado do Torneio Início.

– Após transferência conturbada, o ex-atacante do Ypiranga, Pelágio, estréia pelo Bahia e faz quatro gols no “massacre” de 9 a 0 sobre o Guarany.

– Bahia se recupera, vence nove dos 11 jogos, perdendo apenas um, e leva pra casa seu segundo título Estadual. Marca 45 e sofre apenas 13 gols. Coincidentemente, única derrota é para o Energia, por 3 a 2.

– Em 19/10, goleada por 5 a 0 sobre o São Cristóvão sacramenta o segundo Estadual.

O ano de 1934

– Bahia agora está instalado em nova sede, no bairro de Brotas.

– Em 11/03, Seleção Baiana de Futebol é Campeã Brasileira com sete jogadores do Bahia: Nova, Bisa, Milton, Gia, Pelágio, Bayma e Betinho.

– Em 13/05, Bahia é Campeão do Torneio Início.

– Após um ano parado, o atacante Raul Coringa, ídolo tricolor, se transfere para o Vitória.

– Tricolor perde o Bavi pela primeira vez, por 4 a 3.

– Em 3/07, o jogador do Bahia, Bitonho – José Fernandes Costa -, se suicida. O motivo foi ter saído de campo preso na véspera após agredir o árbitro na primeira derrota tricolor em Bavis. Clube joga de luto por 30 dias devido à morte.

– Apesar da instabilidade da equipe, que entra com formações diferentes em todos os jogos, o Bahia conquista o primeiro de seus 10 bicampeonatos estaduais.

– Em 01/12, Tricolor garante a taça ao vencer o Botafogo por 2 a 1.

– Meia-esquerda Armandinho é o primeiro jogador do Bahia convocado para a Seleção.

O ano de 1935

– O médico Fernando Tude volta ao Bahia, agora para ser presidente.

– Ano é ruim para o Tricolor. É eliminado do Torneio Início. Perde sete das 14 partidas do Estadual e vê o Botafogo ser Campeão.

– Nota positiva da temporada é a chegada do atacante Serafim Carvalho, o Tintas, que faria sucesso pelos próximos sete anos com a camisa tricolor.

O ano de 1936

– Bahia começa mal o ano e é eliminado do Torneio Início.

– Redenção vem no Estadual. Bahia marca 46 gols em 12 jogos, passa por todos os adversários e levanta o quarto título Baiano em cinco anos de vida. Só não é Campeão Invicto porque perde a última partida para o Galícia.

– Baiano, Tarzan, Sandoval e Armandinho são os grandes destaques do time comandado por Nicanor Souza na conquista do Estadual.

O ano de 1937

– Tricolor passa por uma grave crise na escala diretiva. Tudo por causa da existência de uma “diretoria paralela”, que se reunia às escondidas no Café Portugal e tomava decisões ignorando a direção de fato.

– Crise vem a tona com a demissão da “diretoria paralela”.

– Apesar dos problemas, time começa bem e conquista seu quarto Torneio Início.

– Reflexo da crise vem no Estadual. Bahia faz uma das piores campanhas de sua história e perde sete dos 11 jogos. Vê aquele que seria um de seus maiores rivais na esfera regional conquistar seu primeiro título – o Galícia.

– Perde uma invencibilidade de sete anos no “Clássico do Pote”, disputado contra o Botafogo.

O ano de 1938

– Temporada tem dois Estaduais. O primeiro, por desinteresse do público, é cancelado. O Botafogo, que liderava o certame quando da suspensão – em agosto- , foi declarado o Campeão.

– Segundo Baianão de 1938 começa em outubro. Bahia leva o quinto estadual, após golear o Galícia por 5 a 2, em 8 de fevereiro de 1939.

– Em 13/11, acontece um fato curioso, no jogo Bahia x Galícia, pelo segundo Baiano de 1938. O atacante Pedro Amorim se recusa a entrar em campo, alegando doença e manda um bilhete avisando à diretoria. Inconformado, o dirigente Nelson Chaves vai à casa do atleta e o obriga a jogar. Amorim joga e faz três dos quatro gols do triunfo.

– Bahia aplica duas das maiores goleadas de todos os tempos sobre o Vitória – 9 a 4 e 10 a 2.

O ano de 1939

– Bahia volta a sofrer com problemas na cartolagem.Tentativa de colocar ordem na casa é a formação de uma Junta Diretiva que passa a gerenciar o Bahia. Mas os resultados em campo não aparecem.

– Um dos maiores ídolos da torcida, o artilheiro Pedro Amorim vai para o Fluminense/RJ.

– Rivalidade com o Galícia se acirra após duas derrotas no Estadual, ambas por 3 a 2. Tricolor perde o título para o Ypiranga.

– A única nota positiva do ano é a maior goleada de todos os tempos sobre o Vitória – 10 a 1, no dia 8/12.

O ano de 1940

– Destaque do clube é a linha média formada pelos estrangeiros Papetti, Bianchi (argentinos) e Avalle (italiano). Trio é considerado o melhor de todos os tempos na posição.

– Tricolor é Campeão Baiano Invicto pela segunda vez. Galícia é vice.

Os anos de 1941 a 1943

– Bahia assiste passivamente um clube ser Tri-Campeão Baiano pela primeira vez na história, o Galícia.

– O ostracismo em campo é resultado de uma das crises financeiras mais agudas de sua história. O Bahia estava atolado em dívidas, não conseguia pagar funcionários e jogadores.

– Em 1941, quase vai à falência e é despejado de sua sede, na AV. Princesa Isabel, por falta de pagamento dos aluguéis.

– No período, disputa seis jogos contra o maior rival da época, o Galícia, perde quatro, empata um e ganha somente uma vez.

O ano de 1944

– O comerciante Zelito Bahia Ramos assume a presidência e arruma a casa, estabilizando a situação financeira.

– Clube se instala em nova sede, no bairro do Canela, em Salvador.

– Adroaldo Ribeiro Costa compõe o hino do Bahia. Anos mais tarde, a composição seria considerado pelo historiador Cid Teixeia a mais popular da história do estado, ao lado do hino do Senhor do Bomfim.

– Bahia ameaça não disputar o Baianão por divergências com a Federação Bahiana de Desportos Terrestres (FBDT), mas não leva idéia adiante.

– Nicanor de Carvalho assume o comando técnico do time – só deixaria o cargo em fevereiro de 1946.

– Dois dos maiores ídolos do Tricolor em todos os tempos estréiam no time principal – os atacantes Gereco e Zé Hugo. Gereco é prata-da-casa, tinha sido Bicampeão Baiano Juvenil em 1939/40. Zé Hugo vem de Ilhéus, em 25/04.

– Estadual é disputado por pontos corridos. Em 14/05, na estréia, Bahia goleia o Botafogo, por 3 a 1.

– Apesar de não conseguir vencer o Tri-Campeão Galícia – empata duas vezes em 4 a 4 -, faz 3 a 1 no jogo final contra o Ypiranga e volta a subir no lugar mais alto do podium do Estadual.

O ano de 1945

– O duelo com o Vitória é marcado por uma confusão generalizada no Bavi do dia 2/09. Após as expulsões do tricolor Ciri e do rubro-negro Baiano, é deflagrada a briga. Jogo termina em 0 a 0.

– Tricolor vence 2º e 3º turnos do Estadual e precisa de apenas um empate nos dois jogos da decisão com o Galícia para ficar com a taça.

– Baianão só é decidido em 1946. Em 01/01 daquele ano, Galícia vence a primeira decisiva por 2 a 1 e adia a festa.

– Tricolor enfrenta o argentino Rosário Central antes do segundo jogo da final com o Galícia. Perde por 5 a 4.

– Em 17/01, num jogo antológico, empata por 4 a 4 com o Galícia e conquista o segundo Bi de sua história, 11 anos após o primeiro, em 1933/34. O técnico é Armando Simões.

O ano de 1946

– Ex-jogador, fundador e primeiro orador do Esporte Clube Bahia, o jornalista Aristóteles Góes usa pela primeira vez a expressão “Esquadrão de Aço”, em manchete no jornal A Tarde. Expressão cairia logo nas graças da torcida e eternizada como uma das alcunhas prediletas da Nação Tricolor.

– Tricolor faz campanha ruim no Baianão. Vence apenas cinco dos 12 jogos – perde outros seis e empata um. Vê o Guarany conquistar o primeiro e único Estadual de sua existência.

– O destaque do time, apesar da campanha ruim, é o atacante Serafim Carvalho, o Tintas, ídolo do clube.

O ano de 1947

– Com a aposentadoria de Yoyô, titular absoluto de 1942 a 1946, Tricolor sofre atrás de um novo goleiro. Benício e Elba são testados, mas não aprovam.

– Dúvidas cessam quando Lessa veste a camisa 1, que só deixaria sete anos depois, em 1955. O arqueiro marcou época no clube. Tanto que foi celebrado em versos de Gilberto Gil como “um goleiro, uma garantia”.

– Ano é marcado ainda pela estréia de um dos melhores pontas-esquerdas de todos os tempos – Izaltino, que seria titular do Esquadrão, ininterruptamente, por 13 temporadas.

– Titular desde 1936, o beque Baiano começa a perder a posição graças às excepcionais atuações de Arnaldo e Zé Grilo na zaga.

– Em 13/04, estréia no Estadual e, de cara, vence o clássico com o Galícia, por 2 a 1.

– Vence o primeiro e o terceiro turnos e encara na decisão o Vitória, ganhador do segundo. Precisa de apenas um empate no jogo final.

– Em 04/01 de 1948, faz 3 a 1 no arqui-rival e é Campeão Baiano pela nona vez em 17 torneios disputados – aproveitamento superior a 50%.

– Triunfo sobre rubro-negro coroa belíssima campanha, de 14 vitórias em 19 partidas, três empates e somente duas derrotas.

O ano de 1948

– Ano é turbulento, marcado por desentendimentos internos na esfera diretiva, e brigas com a Federação.

– O dirigente Amado Bahia Monteiro assume o comando técnico da equipe. Polêmico, faz alterações radicais e contestáveis, como a saída de Lessa do gol, e a troca de Gereco por Moreninho no ataque.

– Apesar dos pesares, com a base do ano anterior, Bahia supera os rivais e é Bicampeão Baiano.

– Título vem após disputa no quadrangular final contra Galícia (1 a 1), Vitória (5 a 0) e Ypiranga (4 a 1). Na finalíssima, em 03/05, bate o Galícia por 3 a 0.

O ano de 1949

– Volta a ter sede no tradicional bairro da Barra, em Salvador, o mesmo onde foi fundado.

– Clube completa a “maioridade” ao fazer 18 anos.

– Após vencer primeiro turno, enfrenta o Ypiranga, ganhador do segundo, numa melhor de três. Perde a primeira por 3 a 1; vence a segunda, por 2 a 0; e empata a terceira, em 2 a 2.

– No jogo-desempate, em 18/12, Bahia faz 2 a 0 com gols de Carlito e Ivon e torna-se Tricampeão do Campeonato Baiano de Futebol. Amado Monteiro continua como técnico.

– Em 07/07, vem ao mundo Edvaldo dos Santos. Sob a alcunha de “Baiaco”, tornaria-se Hepta-Campeão pelo Tricolor, na década de 1970 e um dos jogadores de maior identificação com a torcida.

– Em 9/09, nasce Douglas da Silva Franklin, o Douglas, que, anos mais tarde, viria a se tornar, para muitos, o maior jogador a envergar o manto sagrado azul, vermelho e branco.

O ano de 1950

– Crises internas continuam mas, diferente de outras épocas, não prejudicam desempenho em campo.

– Na fase classificatória do Estadual, perde apenas dois de 12 jogos e termina em primeiro lugar.

– No primeiro jogo da final com o rubro-negro, faz 2 a 1. Leva virada no segundo, espetacular, e cai por 4 a 3.

– Em 12/11, no Bavi decisivo, vence o rival por 3 a 1. Conta com a estrela de Zé Hugo, que, cinco anos depois, volta a marcar dois gols na decisão contra o Vitória. Bahia é o primeiro Tetracampeão da história do Campeonato Baiano de Futebol.

Os anos de 1951

– Em 28/01, com apenas campo de futebol e um lance das arquibancadas, é inaugurado o Estádio da Bahia, que depois seria rebatizado com o nome de Otávio Mangabeira e entraria para a história do futebol brasileiro como Fonte Nova.

– No dia da inauguração, Bahia, Ypiranga, Guarany, São Cristóvão, Vitória e Galícia disputam um torneio. O Tricolor despacha o Botafogo na semifinal e pega o rubro-negro na decisão. Vence o leão por 3 a 2, de virada, com gols de Teco e Alfredo, e torna-se o primeiro Campeão da história da Fonte Nova.

– Não vai tão bem no Estadual e fica fora da decisão após a seqüência de quatro títulos. Ypiranga vence o Vitória e leva o troféu do ano.

O ano de 1952

– No estadual, Bahia vence o primeiro turno, Vitória ganha o segundo, e o Ypiranga o terceiro.

– Nas finais, já em 1953, depois de vencer o Vitória duas vezes, por 3 a 1 em ambas, o Bahia encara o Ypiranga na luta pelo título.

– Em 08/03 de 1953, encara o aurinegro na finalíssima. Jogo é marcado por embate entre policiais e torcedores, depois que os guardas tentam pacificar com violência uma briga entre espectadores. Devido às vaias do público, o governador Régis Pacheco, no estádio, manda os policiais se recolherem ao quartel.

– Com a bola rolando, a decisão é equilibradíssima. Jogo só é definido em lance fortuito. No segundo tempo, Carlito chuta fraco, sem pretensão, e o goleiro Rui engole um frangaço. Com o 1 a 0, Bahia é Campeão Baiano pela 13a vez.

– Frango de Rui motiva nota oficial do presidente do Ypiranga, Vivaldo Tavares, publicada nos jornais, dias depois. Segue um trecho – “Tudo foi destruído pelo nosso goleiro Rui… não fosse aquele horroroso frango, o jogo terminaria 0 a 0”.

Final Histórica
Vicente recebe faixa de campeãoA competição nacional foi pioneira e percursora do Campeonato Brasileiro. A conquista credenciou o Bahia como primeiro representante do Brasil na Taça Libertadores da América.

A Taça foi conquistada numa finalíssima histórica, contra o Santos do Rei Pelé, considerado por muitos o melhor time de futebol de todos os tempos, no Maracanã, no dia 29 de março de 1960. O Tricolor venceu por 3 a 1, com gols de Vicente, Léo e Alencar. A partida foi a terceira da fase decisiva. Na primeira, em plena Vila Belmiro, o Tricolor venceu por 3 a 2. Na segunda, na Fonte Nova, o peixe deu o troco – 2 a 0.

No jogo desempate, o Bahia fez 3 a 1, atuando com Nadinho; Nenzinho, Henrique e Beto; Flávio e Vicente; Marito, Alencar, Léo, Mário e Biriba. O Esquadrão de Aço era presidido pelo lendário Osório Villas Boas, um dos dirigentes mais polêmicos e controversos da história tricolor.

No banco de reservas, o comando era de era treinado por Efigênio Bahiense, o Geninho. Ele ficou no time até o segundo jogo contra o Santos. Na finalíssima, no Maracanã, o treinador foi Carlos Volante.

Primeira competição nacional de clubes no país, a Taça Brasil de 1959 foi disputada no sistema mata-mata, reunindo os principais campeões estaduais do ano anterior. Santos, São Paulo, Vasco da Gama, Atlético/PR, Atlético/MG, Grêmio, Sport/PE, Rio Branco/ES, Hercílio Luz/SC, Auto Esporte/PB, ABC/RN, Ceará/CE, CSA e Tuna Luso, além do Bahia, Campeão Baiano de 1958, disputaram o certame.

As primeiras fases foram regionalizadas. Depois de eliminar CSA, Ceará e Sport, o Bahia encarou o Vasco, nas semifinais – dando aos cariocas o mesmo destino dos rivais anteriores.

Na conquista do primeiro Campeonato Nacional realizado pela Confederação Brasileira de Desportos, entidade máxima do futebol na época, o Bahia disputou 14 jogos, venceu nove, empatou dois e perdeu três, marcou 25 gols e sofreu 18. De quebra, o Tricolor fez ainda o artilheiro da competição – Léo, com oito gols.

A base que conquistou a taça foi formada por – Nadinho; Leone e Henrique; Flávio, Vicente e Nenzinho; Marito, Alencar, Léo, Bombeiro (Mário) e Biriba.

A conquista do Brasil – 1988

Não dá para esquecer o segundo título de Campeão Nacional do Bahia. A façanha foi alcançada num empate em 0 a 0 com o Internacional/RS, em pleno Beira-Rio, em Porto Alegre, no dia 19 de fevereiro de 1989. Até hoje (2010), nenhum clube da região conseguiu igualar o feito, chegando, no máximo, ao vice-campeonato.

Confira, abaixo, algumas curiosidades e dados referentes ao Campeonato Brasileiro de 1988:

Para chegar ao tão cobiçado título, o Tricolor jogou 29 vezes, venceu 13, empatou quatro e perdeu cinco. O regulamento da competição previa cobrança de pênaltis nos jogos das fases classificatórias que terminassem empatados. Destes, o Bahia venceu quatro e perdeu três. O time fez 33 gols e sofreu 23. O triunfo no tempo normal valia três pontos. Nos pênaltis, dois. O Esquadrão de Aço fez 52 pontos.

O Bahia teve a maior renda da competição e ficou com a segunda melhor media de público, atrás apenas do Flamengo – 26.529 pessoas. O jogo do Tricolor que atraiu maistorcedores foi a semifinal contra o Fluminense, na Fonte Nova, assistida por mais de 110 mil pessoas – a maior platéia do estádio em todos os tempos.

A partir da conquista inédita, o Esquadrão passou a utilizar duas estrelas douradas acima do seu distintivo – alusivas aos títulos da Taça Brasil, em 1959, e do Brasileirão de 1988. O título credenciou o Bahia a disputar sua terceira Taça Libertadores da América.

Foram campeões – os goleiros Ronaldo, Sidmar e Rogério; os laterais Tarantini, Maílson e Edinho; os zagueiros João Marcelo, Claudir, Pereira e Newmar; os meias Paulo Rodrigues, Gil, Bobô, Sales e Zé Carlos; e os atacantes Renato, Osmar, Charles, Marquinhos, Dico e Sandro; além do técnico Evaristo de Macedo. O clube era presidido à época por Paulo Maracajá.

– Zé Carlos, com nove gols, foi o artilheiro do Bahia no Campeonato. Bobô foi o vice, com sete. Três jogadores do Bahia fizeram parte da Seleção do Brasileiro elaborada pela revista Placar, e ganharam a Bola de Prata – Pereira, Paulo Rodrigues e Bobô. A média do goleiro Ronaldo (7,38) foi maior que a do Bola de Ouro Taffarel (7,37). O arqueiro tricolor só não levou o prêmio máximo porque disputou 11 partidas – uma a menos do que o mínimo exigido pelo regulamento da revista para concorrer ao troféu.

A CAMPANHA DO BAHIA
02/09- 1×1 Bangu (6×5) (C)
07/09- 1×0 Vitória (C)
11/09- 0x3 Fluminense (F)
18/09- 1×0 Flamengo (C)
25/09- 2×2 Goiás (2×4) (F)
02/10- 1×1 Atlético-MG (1×4) (F)
09/10- 1×1 Sport (5×4) (C)
16/10- 2×0 Atlético-PR (C)
22/10- 2×0 São Paulo (F)
30/10- 1×0 Palmeiras (C)
06/11- 0x3 Internacional (F)
09/11- 0x0 Portuguesa (5×4) (F)
13/11- 2×1 Cruzeiro (C)
16/11- 0x0 Vasco (3×5) (F)
20/11- 0x0 Guarani (4×3) (F)
24/11- 0x1 Botafogo (C)
27/11- 2×0 Corinthians (C)
01/12- 1×0 Criciúma (F)
04/12- 0x2 Coritiba (F)
07/12- 5×1 Santos (C)
11/12- 3×1 Grêmio (C)
14/12- 1×2 Santa Cruz (F)
18/12- 2×1 América-RJ (C)

Jogos em 1989

Quartas-de-Finais
29/01- 1×1 Sport
01/02- 0x0 Sport

Semifinais

09/02- 0x0 Fluminense
12/02- 2×1 Fluminense

FINAIS

15/02- 2×1 Internacional
19/02- 0x0 Internacional

(C) jogos em casa
(F) jogos fora
() Jogos decididos nos penais

Jogo Final – INTERNACIONAL 0x 0 BAHIA
19/fevereiro/1989 – Local: Beira Rio (Porto Alegre-RS)
Juiz: Dulcídio Wanderley Boschilia (SP)
Público Presente: 79.598 espectadores
Cartão Amarelo: Norberto, João Marcelo e Gil
INTERNACIONAL : Taffarel, Luís Carlos Winck, Norton, Aguirregaray e Casemiro; Norberto, Luís Fernando e Luís Carlos Martins; Maurício (Hêider), Nílson e Edu Lima (Diego Aguirre). Técnico: Abel Braga.
BAHIA : Ronaldo, Tarantini, João Marcelo, Claudir (Newmar) e Paulo Róbson; Paulo Rodrigues, Gil Sergipano, Zé Carlos e Bobô (Osmar); Charles e Marquinhos. Técnico: Evaristo de Macedo.

Listagem dos Presidentes

Marcelo Guimarães Filho: desde 2008

Petrônio Barradas: 2005 a 2008

Marcelo Guimarães: 1997 a 2005

Antônio Pithon: 1996 a 1997

Francisco Pernet: 1994 a 1996

Paulo Virgílio Maracajá Pereira: 1979 a 1994

Fernando Schimidt: 1975 a 1979

Luiz A. Bandeira de Matos: 1975

Wilson Trindade: 1972 a 1974

Manoel Inácio Paula Filho: 1971 a 1972

Alfredo Saad: 1970

Pedro Pascásio: 1969 a 1970

Hamilton Figueira Simões: 1961

Osório Villas-Boas: 1958 a 1960; 1961 a 1969

Nelson Pinheiro Chaves: 1954 a 1955

Amado Bahia Monteiro: 1952 a 1954

Manoel Alfredo de Carvalho: 1951

Jayme Guimarães: 1949 a 1950

Clémens Sampaio: 1949

José Bahia Ramos: 1944 a 1948

Alfredo Fischer: 1944

Emílio Tournillon: 1942 a 1943

José Gabriel Castilho: 1941

Álvaro de Souza Lopes: 1941

Carlos Wildeberger: 1940

Gaston Carvalho: 1939

Carlos Costa Pinto de Pinho: 1937

Edgard de Lemos Brito: 1937

Albérico Mello: 1935 a 1936

Fernando Tude de Souza: 1935

Augusto Correia Machado: 1934

Alex Von Usler: 1933

Plínio Rizério: 1931

Waldemar Costa: 1931; 1937 a 1939; 1955 a 1957

Categoria Principal
Campeonato Brasileiro 1988
Taça Brasil 1959
Campeonatos Estaduais 1931, 1933, 1934, 1936, 1938, 1940, 1944 e 1945, 1947, 1948, 1949, 1950, 1952, 1954, 1956, 1958, 1959, 1960, 1961, 1962, 1967, 1970, 1971, 1973, 1974, 1975, 1976, 1977, 1978, 1979, 1981, 1982, 1983, 1984, 1986, 1987, 1988, 1991, 1993, 1994, 1998, 1999, 2001.
Copa Norte-Nordeste 1948, 1959, 1961 e 1963
Copa do Nordeste 2001 e 2002
Torneio Inicio do Estadual 1931, 1932, 1934, 1937, 1938, 1951, 1964, 1967 e 1979
Taça Estado da Bahia 2000, 2002 e 2007
Outros Torneios Nacionais e Internacionais
1997 – Copa Internacional Renner
1993 e 1999 – Taça Bahia-Pernambuco
1998 – Taça Maria Quitéria
1955 – Taça Vivaldo Tavares
1962 – Taça Walter Passos
1953, 1954 e 1955 – Taça Bernardo Martins Catharino
1951 – Taça Otavio Mangabeira (Inauguração da Fonte Nova).
1971 – Torneio Triangular Luis Viana Filho (Reinauguracao da Fonte Nova)
1959 – Taça da Amizade (Uruguai)
1939 e 1940 – Torneio Relâmpago
1950 e 1962 – Torneio Quadrangular
1961 – 1o. Torneio Quadrangular Interestadual Salvador
1961 – 2o. Torneio Quadrangular Interestadual Salvador
Categoria Principal |     Categorias Menores
Fonte: www.eusoubahia.comArquivo www.campeoesdofutebol.com.br
Pesquisas realizadas por Sidney Barbosa da Silva, com colaboração de Alexandre Magno Barreto Berwanger
Anúncios

Um comentário sobre “História do Esporte Clube Bahia

  1. Procuro fotos do time do Bahia 1975 campeão.
    Lá jogou meu amigo Fernando Silva e foi campeão.
    Jogou também no Vitoria e foi Campeão em 1972.
    Jogou no Fluminsende de Feira (1976/1977/) e 1978 e 1979 ,Leonico.
    Obrigano no que puderem me ajudar.
    Waldevir
    E-mail: waldevir@gmail.com

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s